O que é compostagem?

A compostagem é um processo biológico, onde microrganismos, fungos e bactérias fazem a decomposição dos materiais orgânicos, transformando-os em um composto rico em nutrientes.

Antes de mais nada, você sabia que quase 57% do lixo que geramos são resíduos orgânicos que podem ser reciclados? Isso mesmo, grande parte do que geramos ao longo do dia são resíduos compostos por produtos orgânicos. Assim como as cascas de frutas e legumes, restos de comida, papéis sujos, podas de jardins e serragem de madeira, entre outros.

Em outras palavras, esses resíduos por serem orgânicos, podem ser compostados, que é uma alternativa sustentável para o meio ambiente. Além de quase não gerar impactos, com a compostagem diminuiremos significativamente o volume dos resíduos que são destinados aos aterros sanitários e lixões (que são grandes fontes poluidoras). Ou seja, cerca de 43,32 milhões de toneladas de lixo por ano só no Brasil.

Como que funciona a compostagem?

Os materiais orgânicos (conforme falei ali em cima) são ricos em água. Nesse sentindo, eles precisam ser misturados com outros componentes secos para equilibrar a umidade, aeração e calor. Como por exemplo palha, papéis engordurados, serragem de madeira e podas de jardim. Simultaneamente, proporciona um ambiente adequado para a proliferação dos microrganismos, fungos e bactérias. Nesse sentido, o processo de transformação (degradação) de toda essa matéria orgânica in natura gera calor, gás carbônico, água e a composto orgânico (humos – adubo).

Porém, se o composto estiver muito úmido, começa a geração de odores desagradáveis. Assim, os microrganismos não conseguem se proliferarem, e a matéria orgânica em decomposição nessas condições começam também a gerar gases. Como o metano, que é um dos responsáveis pelo efeito estufa e aquecimento global, chorume e proliferação de vetores como ratos e baratas.

Por outro lado, ao contrário do composto muito úmido, quando é seco demais, acaba dificultando a proliferação dos microrganismos, gastando mais tempo para realizar a decomposição total dos produtos.

Dessa forma, o composto proveniente da compostagem é muito rico em macro nutrientes.  Como o fósforo, potássio, nitrogênio, cálcio, enxofre e magnésio, e micronutrientes como zinco, ferro, cobre, boro e manganês. É válido lembrar que esses nutrientes são essenciais para a manutenção do solo e das plantas.

Qual a quantidade mínima para poder fazer compostagem?

A quantidade mínima é muito relativa, pois ela pode ser feita desde volumes pequenos como de uma residência. Por exemplo através de uma composteira de minhocas, ou no cantinho da sua horta, ou no seu condomínio. Pode até mesmo ser feita em uma planta industrial com grandes volumes, variando de acordo com a sua necessidade.

Por outro lado, as compostagens em grandes escalas precisam de boa disponibilidade de espaço para a montagem das leiras (canteiros) e passagem dos equipamentos. No mercado existem produtos biológicos que ajudam acelerando o processo de compostagem, otimizando o tempo e espaço.

A compostagem com o passar dos dias vem ganhando cada vez mais adeptos, que buscam um estilo de vida mais sustentável. E com certeza ela é uma excelente alternativa para o meio ambiente. Como resultado, diminuímos a necessidades dos aterros sanitários e lixões, os impactos no meio ambiente e reduzimos a emissões de gases de efeito estufa. Sem falar que podemos utilizar esses compostos em nossas plantas de casa.