Catadores e as Cooperativas de Reciclagem

As cooperativas de reciclagem exercem importante papel na temática da sustentabilidade, uma vez que o trabalho das catadoras e catadores de reciclável impacta não apenas na esfera econômica, mas também social e ambiental.

Porém, antes de falar sobre as cooperativas de reciclagem, vamos entender um pouco sobre as cooperativas de forma geral.

O que é uma cooperativa ?

Existem diversas definições para tal, mas pode ser definida como uma organização composta por membros de determinado grupo econômico ou social que desenvolvem algum tipo de atividade, gerando um benefício em comum.

Conforme colocado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), a organização de uma cooperativa basicamente tem o objetivo de melhorar a  situação  econômica  de  determinado  grupo  de  indivíduos,  solucionando problemas ou satisfazendo necessidades e objetivos comuns, que excedam a  capacidade  de  cada  indivíduo  satisfazer  isoladamente. 

O cooperativismo pode seguir diversos ramos como, por exemplo, no setor agropecuário, de consumo, de crédito, educacional, habitacional, produção, saúde, transporte, etc.

Existem diversos aspectos legais que circundam esse meio e moldam sua organização, funcionamento, tributação, dentre outras questões. E nas cooperativas de reciclagem não é diferente. Elas podem ser administradas de diversas formas, desde que estejam de acordo com os princípios de cooperativismo e da economia solidária.

Catadoras e catadores de material reciclável

Não podemos falar sobre as cooperativas de reciclagem sem mencionar as pessoas que as fazem existir: os catadores e as catadores de material reciclável.

No Brasil, existem cerca de 800 mil catadores e catadoras, onde cerca de 70% são mulheres, de acordo com o Movimento Nacional dos Catadores de Material Reciclável (MNCR). São trabalhadores e trabalhadoras responsáveis pela coleta de cerca de 90% de tudo o que é reciclado hoje no país.

Lamentavelmente, é um trabalho pouco valorizado e apesar de sua extrema importância em todo o contexto social e ambiental abordado,  não é um trabalho nada glamoroso. Muito pelo contrário.

A grande maioria destes trabalhadores andam quilômetros e quilômetros a pé, puxando carroças e carrinhos com vários quilos de material reciclável. Muitos acabam adquirindo lesões e infecções pelo manuseio dos resíduos sem proteção e ainda são frequentemente ignorados pela sociedade. É comum, infelizmente, que muitos deles sejam confundidos com moradores de ruas ou algo do tipo.

Além disso, existem outras problemas característicos de cada localidade como, por exemplo, a questão dos municípios que proíbem a circulação de carroças em vias públicas.

São pessoas que exercem um trabalho pesado e a maioria não recebe de volta um lucro compatível com o trabalho exercido.

Dessa forma, para que esse trabalho dos catadores e catadoras se fortaleça, é necessário a organização destes em associação/cooperativas, pois conforme colocado pelo MNRC,

“Os catadores são os agentes principais na cadeia produtiva de reciclagem. Eles são os primeiros agentes no processo. É evidente que sem o trabalho duro dos catadores milhares de toneladas de matéria prima reciclável deixariam de chegar às indústrias e muitos bens de consumo não seriam produzidos”.
As cooperativas de reciclagem

Segundo a VGResíduos, as primeiras cooperativas e associações de coleta e reciclagem de resíduos sólidos surgiram na década de 90.

São importantes na mitigação do  impacto ambiental dos resíduos sólidos urbanos, por meio do trabalho de coleta seletiva de lixo. Através da coleta e separação dos materiais, estes são reciclados e se transformam em matéria-prima secundária para a indústria. 

Conforme artigo apresentado no XIV SemeAd, há relação com equidade social, uma vez que que milhares de pessoas sobrevivem através do reaproveitamento de resíduos. Esse fato se estende à esfera econômica justamente por se transformar em uma fonte de renda para o(a) cooperado(a) (catadores (as)).

Há, ainda, a questão ambiental que alcança maior equilíbrio pelo fato de reduzir a disposição de resíduos inadequadamente, destinando-os para a reciclagem.

Dessa forma, as localidades que contam com este tipo de serviço/trabalho, principalmente nos países em desenvolvimento, têm a oportunidade de contribuir para o desenvolvimento sustentável.

Além de minimizar diversos problemas ambientais acerca da disposição incorreta de resíduos sólidos urbanos, também contribui para o desenvolvimento social e econômico local.

Desafios

Apesar da extrema importância do trabalho realizado pelas catadoras e catadores e as cooperativas de reciclagem, este ramo ainda enfrenta inúmeros desafios.

A maioria desses desafios esbarra, principalmente, com os cooperados no que diz respeito à benefícios trabalhistas e orientações de diversos tipos que possam auxiliar o trabalho e o crescimento destes no setor, por exemplo.

Ademais, o implemento de políticas públicas e o fortalecimento de campanhas, divulgação e educação ambiental sobre o assunto é fundamental importância para que a sociedade como um todo cresça com isso e ambas as partes possam usufruir de um trabalho como este.

Quanto à isso, todos nós podemos fazer alguma coisa. Basta se informar e estar disposto a mudar, separando seus resíduos recicláveis e destinando-os para a reciclagem.

A Recicla.se pode ajudar. Coletamos seus resíduos domésticos recicláveis na porta de sua casa e você recebe benefícios por estar reciclando conosco. Basta separar os resíduos por tipo (papel, metais, plástico e vidro) e cadastrar em nosso App. Acesse o site e saiba mais.

Faça a diferença! Pequenas atitudes podem sim transformar o mundo!

4 thoughts on “Catadores e as Cooperativas de Reciclagem”

  1. Pingback: Economia Solidária e a Reciclagem de Resíduos Sólidos | Trash2Money

  2. Pingback: Coopergatos e Coleta Clandestina | Trash2Money

  3. Pingback: Usinas de Triagem para Reciclagem | Trash2Money

  4. Pingback: Reciclagem do PLA | recicla.se

Deixe uma resposta